Cidade Aberta Pós-Quarentena

May 4, 2020

Medidas Urgentes - Alexandre Esgaio

Alexandre Esgaio


[PT]

MEDIDAS URGENTES PARA UMA CIDADE ABERTA PÓS-QUARENTENA


No decorrer das próximas semanas as cidades do nosso país vão progressivamente retomar a circulação de pessoas e bens. Se nada for feito do ponto de vista urbanístico, somente o policiamento dos territórios urbanos conseguirá deter o aumento exponencial da utilização do automóvel, as expressões mais violentas do medo perante o outro e a sensação generalizada de que o espaço público é um território de insegurança.
Mas há outro caminho. Estratégias de placemaking, urbanismo tático, reforço do transporte público e redução drástica do trânsito automóvel, podem deixar de ser tratadas como eventos e efemérides, para serem adoptadas como instrumentais do desenho urbano e da produção de espaço público.
Urge implementar medidas que considerem:

  • Alargamento do período de maior frequência de transportes públicos para o período entre as 7h00 e as 21h00, sem interrupção; aumentando o serviço, reduzindo o número de passageiros admitidos e marcando as distâncias de referência entre pessoas no interior dos transportes e nas paragens;
  • Alargamento de passeios de muita afluência pela supressão de via automóvel ou estacionamento;
  • Criação de novas áreas de esplanada para pequenos estabelecimentos de restauração ou similares com evidente dificuldade em garantir o distanciamento físico no seu interior, a partir da supressão de lugares de estacionamento e marcando no pavimento o posicionamento das mesas e limites da área de utilização;
  • Criação de uma rede de ciclovias estrutural que ligue a cidade do ponto de vista dos movimentos de circulação diários dentro da cidade e priorize o trânsito de bicicletas em segurança;
  • Elaboração de um Plano de Ruas Lentas, com diminuição ou supressão do trânsito automóvel;
  • Utilização gratuita de todos os parques de estacionamento da cidade para residentes e estacionamento de curta duração, de modo a garantir a pedonalização das áreas de rua actualmente reservadas ao estacionamento;
  • Requisição temporária de lotes urbanos de terrenos expectantes para constituição de bolsas de solo urbano para exploração agrícola;
  • Mapeamento actualizado diariamente de todos os serviços de necessidade básica e espaços públicos de lazer recomendados para os moradores e trabalhadores da cidade, facilitando a dispersão no acesso aos mesmos e procurando atingir o princípio de que qualquer cidadão deve estar à distância pedonal de 15 minutos desses serviços.



[ENG]

URGENT MEASURES FOR AN OPEN POST-QUARANTINE CITY

 

Over the next few weeks, the cities of Portugal will gradually resume the circulation of people and goods. If nothing is done from the urban point of view, only the policing of urban territories will be able to stop the exponential increase in the use of the car, the most violent expressions of fear towards the other and the generalized feeling that the public space is a territory of insecurity.

But there is another way. Placemaking strategies, tactical urbanism, reinforcement of public transport and drastic reduction of car traffic, can no longer be treated as events and ephemeris, to be adopted as instruments of urban design and production of public space.

It is urgent to implement measures that consider:

  • Period extension of highest frequency of public transport to the period between 7 am and 9 pm, without stoping; increasing service, reducing the number of passengers admitted and drawing reference distances between people inside transport and at stops.
  • Crowded sidewalks expansion through the suppression of a car lane or parking lot;
  • Design of new terrace areas for small restaurants or similar establishments with evident difficulty in guaranteeing the physical distance inside, by suppressing parking spaces and marking on the pavement the positioning of tables and the limits of the floor area to be used;
  • Structural bike network proposal that connects the city from the point of view of commuting movements within the city and prioritizes safe bicycle traffic;
  • Slow Streets Plan design, with car traffic reduction or suppression;
  • Free use of all city car parks for residents and short-term parking, in order to guarantee the pedestrianization of the street areas currently reserved for parking;
  • Temporary requisition of urban plots of expectant land for constitution of urban soil pockets for agricultural exploitation;
  • Daily updated mapping of all basic services and public leisure spaces recommended for residents and workers in the city, facilitating dispersion in access and seeking to achieve the principle that any citizen should be within 15 minutes of walking distance from these services.