blogue do mês :: blog of the month
publicidade :: ads

subscrever feeds

|
pub | ads



tags

todas as tags

arquivos :: archives

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Outubro 2005

ajudas | support
Site Meter



Terça-feira, 14 de Outubro de 2014
ateliermob, às 08:17 | comentar :: comment | 2014.10.14

INTERVIEW-Informal-neighbourhoods-are-probably-the

Photo: Paulo Pimenta

 

Due to a specific political situation during the XX Century, in Portugal, when two people speak about modernity we are never sure if they are referring to the same thing. Portugal is living under an extreme situation, we are not sure if architecture may be an agent of modernity but we are committed that it may be part of a turning point.

[+]



Segunda-feira, 13 de Outubro de 2014
ateliermob, às 12:47 | comentar :: comment | 2014.10.13

10687308_759554080747281_6159789757416480353_o.jpg

 

[+ info]

 

 

 


tags:

Sexta-feira, 10 de Outubro de 2014
ateliermob, às 11:08 | comentar :: comment | 2014.10.10

 

[ENG] Ateliermob will present "Working with the 99%" concept and Cozinha Comunitária das Terras da Costa (ateliermob + projecto warehouse) will be in the exhibition.

28th of October 2014 - 1st of November 2014
Deutsches Architektur Zentrum DAZ, Köpenicker Str. 48/49, 10179 Berlin-Mitte

 

In the past decade, as an effect of the economic crisis and social movements, many actors in the architecture and planning fields recognized that traditional funding models lost their capacity to feed small-scale, community-oriented urban projects. While designers elaborated new methods to address problems of community, participation and ecology, they also created alliances with a new generation of developers, economists, as well as law specialists to experiment with new models for funding urbanism.

For Wonderlab Berlin, Wonderland invites protagonists of the new civic economy from various European cities to join the Funding Urbanism Berlin workshop: 4 days of site visits, presentations, debates and screenings, as well as an evolving exhibition.

 

[+ info]

 



Quarta-feira, 8 de Outubro de 2014
ateliermob, às 09:40 | comentar :: comment | 2014.10.08

 

A Câmara Municipal de Almada promove um debate sobre intervenções em territórios
informais desenvolvidas com a participação da comunidade – Torrão, Terras da Costa
e Cova do Vapor, partindo de três experiências: o Laboratório de Arquitetura ‘InSitu’
no 2º Torrão – Trafaria; a ‘Casa do Vapor’, na Cova do Vapor – Trafaria; e a ‘Cozinha
Comunitária’, nas Terras da Costa.
CASA DA CERCA • CENTRO DE ARTE CONTEMPORÂNEA • ALMADA • 18H30

 

[+ info]



Domingo, 5 de Outubro de 2014
ateliermob, às 13:09 | comentar :: comment | 2014.10.05

[+ info]

 

 



Quinta-feira, 2 de Outubro de 2014
ateliermob, às 09:16 | comentar :: comment | 2014.10.02

written by Rita Aguiar Rodrigues to Failed Architecture and published here
edited version

Ever since its foundation in the early 20th century and perhaps to a greater extent than any other site in Lisbon’s historical centre, the Martim Moniz square has been subject to successive architectural failures – construction projects, attempts at restructuring, attempts at re-signifying –, with the most recent having begun in 2011.
Whilst Portugal may be known as a country of emigrants – experiencing its highest peaks between the 1950s and 1970s as well as currently courtesy of the austerity policies enacted under the troika and the corresponding surge in the unemployment rate –, the country is also, and particularly Lisbon, the destination for many immigrants. Martim Moniz undoubtedly represents one of the places that best conveys the Lisboan propensity and vocation for the confluence and conviviality between different peoples.
The Lisbon of the Middle Ages had defined quarters for Jewish and Moorish communities: the ghetto on the insalubrious side (North/West) of the Castle slope had been granted to the Moors in the wake of the Christian conquest. Ever since, this area has been a neighbourhood of immigrants with a particular incidence of communities of slaves freed in the 18th century, the Galician community and, more recently, from the former colonies and south and east Asia. Out of the historical results of this confluence, this proved the site of the origins of Fado, a possible heir of the Lundum and, as such, of the black community and their close proximity to the poorest and most marginal sections of the white community living there. What is more, this practice of coexistence has since remained and still remains.
In the 1940s, with the intention to link Av. Almirante Reis with Rossio (and under the auspices of a neo-imperialist hygiene policy), a section of the Mouraria neighbourhood was demolished to make way for Martim Moniz. Various proposals were thereafter made for what to do with the emptiness resulting from this house clearing. However, not one of them actually got built until the 1980 launch of a public tender to draft an Urban Renovation Plan for the area. The winning project, by Carlos Duarte and José Lamas, who declared openly – and perhaps I might say somewhat ambitiously – that their solution represented the continuity and sedimentation of the existing urban fabric (1), ended up not getting completed in its totality and having built only two shopping centres – Centro Comercial da Mouraria and Centro Comercial do Martim Moniz – that today, alongside Hotel Mundial, constitute the triptych that best visually identifies this site, forming one of the most criticised architectural ensembles in Lisbon.
With the emergence of these two structures, the wholesale market, nowadays mainly run by the Asian community, gained in scale and gradually became the main economic activity taking place in Martim Moniz. The notorious shopping centres have both been transformed into packed and bustling galleries, where large scale commerce intermingles in an endless hustle with the small scale informal sector.
On the contrary, the enormous empty space making up the square spiralled downwards into progressive decadence. Following the construction of a car-park under the platform and the ill-fated project of the landscape architect Gonçalo Ribeiro Telles, the marginal dynamics of the square continued to persist, unused, uncomfortable and dirty, all the while becoming a hotbed for the sale and consumption of drugs. In 1997, the space was once again reformulated: around forty kiosks were installed with the objective of revitalising the square through a market with regional products, antique and handicrafts, mimicking a traditional market. Following the broad scale closure of most kiosks, Lisbon Municipal Council removed the majority of them in 2000 to once again transform the square into a large, open place.
Even while still connoted with insecurity and a general rough ambience, this proved the point in time when the square slowly but gradually began to be appropriated as a public space by those living and working in the vicinity. Right in the middle of the square or by one of the still surviving kiosks, whether as a place for passage, rest, consumption or as a venue for sport, this space has been slowly and steadily reoccupied and re-signified by the population. It became the place for religious processions, the beginning of the annual May 1st protest march, demonstrations on behalf of immigrants along with other events, "sporadic but continuous"(2), in a clear relationship between the identity and the demonstration of a counter-culture.
In 2011, with the well-intended and necessary objective of re-qualifying the space, a public tender was held for the kiosk concession and for the launch of a weekend market. The tender was won by its only bidder: an event production company specialising in sound and video. The bid stipulated, within a discourse defending the "eclectic and ethnographic"(3) character of the site, the provision of ten kiosks equipped for serving up quick meals, each reflecting a different national gastronomy. In the central area, with tables and chairs provided, "this shall function as in Colombo [one of Portugal’s largest shopping centres] or as in any other shopping centre of this type"(4), the concession director stated in declarations to the Público newspaper before explaining how "to get the project running, we have entered into contacts with over 60 associations and communities and we also talked to various embassies"(5). The stands, open at the weekend for the Fusion Market, are mainly taken up by outlets offering creative objects, end-of-collection brand clothing, vintage clothing, organic produce, among other similar types of products; totally out of sync with the otherwise prevailing local dynamics. The kiosks open during the week were leased to different types of food providers – pizza, gourmet hamburgers, sushi, Brazilian gastronomy (...) – in a fairly lame attempt at providing some multicultural portrait but neither representing the locally prevailing type of commerce nor enabling local business participation. The refurbishment of the square, commissioned from CHP Arquitectos by the concession holder, includes the installation of generic shadow casting structures as its main feature. More recently, an artificial grass covering was laid out in between the different café terraces along with some panels featuring photographs of the small local stores, their owners and clients who, in all likelihood, are unable to sample the cocktails served up there at €6 apiece. The musical program is exclusively the responsibility of the concession holder.
The media have enthusiastically covered this operation and correspondingly characterised it as an example of "returning this space to the city"(6). Clearly, the local residents and small business owners are not included within this scope, not even as consumers. The local community finds neither the space nor the purchasing power to engage in the economy that is being generated in the square. The space has been "returned" to a minority with the appropriate level of purchasing power, who drop in on the location on an occasional basis.
This operation on the Martim Moniz Square – now designated Dragon Square by the concession holder – fits in with a series of recent interventions in the historic centre of Lisbon, largely driven by the current phenomenon of a sharp rise in tourism and its respective industry and in conjunction with the generalised acceptance of a discourse which, also aligned with the fashion for "entrepreneurialism" and the "creative industries", advocates regeneration and requalification driven by gentrification generator mechanisms. Even while not garnering any support from residents, workers or traditional users, and not even targeting such communities, these “requalification” operations are whitewashed and justified by the fact that they improve the area from the perspective of an elite endowed with the purchasing power necessary. It is for them that the entire initiative was really destined and deemed appropriate.
The opportunity for a real, integrative and responsible regeneration, which leverages its relative lag in relation to other old European cities and that is able to meet the true needs and opportunities of the locally present population and thereby driving local economic revitalisation, is spurned by the total delegation of all responsibilities to a private company with a promotional discourse that only apparently reaches out to meet the objectives and intentions of the institutions with overall responsibility.

(1) Duarte, Carlos, and Lamas, José, "Proposta para a Renovação urbana do Martim Moniz" p. 29.
(2) Guterres, António, "Interações reflexivas sobre o novo plano - Martim Moniz" in Buala
http://www.buala.org/pt/cidade/interacoes-reflexivas-sobre-o-novo-plano-martim-moniz [accessed 25 June 2014]. 
(3) Ibid.
(4) Cerejo, José António, "Martim Moniz vai ter restaurantes e um mercado intercultural" in Público http://www.publico.pt/local/noticia/martim-moniz-vai-ter-restaurantes-e-um-mercado-intercultural-1545447 [accessed 25 June 2014].
(5) Ibid.
(6) Guterres, António, "Interações reflexivas sobre o novo plano - Martim Moniz" in Buala
http://www.buala.org/pt/cidade/interacoes-reflexivas-sobre-o-novo-plano-martim-moniz [accessed 25 June 2014].



 



Terça-feira, 30 de Setembro de 2014
ateliermob, às 16:58 | comentar :: comment | 2014.09.30



ateliermob, às 07:24 | comentar :: comment | 2014.09.30

 

 

[PT] Esta entrevista a José António Pinto, também conhecido por Chalana, enquadra-se no contexto de um de seis projectos que integram a representação oficial portuguesa na Bienal de Arquitectura de Veneza de 2014, comissariada pelo arquitecto Pedro Campos Costa. O projecto (concebido e realizado por Mariana Pestana e pelo colectivo LIKEarchitects) incorporou a activação de um edifício devoluto no centro da cidade com o objectivo de reflectir sobre o sintoma da transitoriedade, tendo indagado como poderá a cidade contemporânea, em que fluem estes trânsitos habitacionais, oferecer novos léxicos de hospitalidade.

 

[aqui]



Quarta-feira, 24 de Setembro de 2014
ateliermob, às 10:06 | comentar :: comment | 2014.09.24

Nelson D'Aires

 

* Concluído *  muito obrigado aos que deram o seu apoio a este projecto 

 

[PT] 

O projecto "Prodac Norte, Fora de Portas - Requalificação do espaço público do Bairro da PRODAC Norte" encontra-se nomeado para os Prémios Construir 2014 como  Melhor Projecto Público .

Este é um projecto feito com e pelos moradores deste bairro.

No início de 2013, em assembleia de bairro, os moradores elaboraram a lista de intervenções que julgavam necessárias e urgentes no espaço público do bairro e, em Junho de 2013, conseguiu-se o financiamento do programa BipZip para iniciar os trabalhos. O ateliermob desenvolveu vários projectos e listagem de trabalhos e, mais uma vez em assembleia, os moradores decidiram a lista de prioridades de intervenção.
A maioria das obras foram realizadas por gente do bairro que se inscreveu numa bolsa de trabalhadores locais. Repararam-se muros, redesenharam-se escadas e reabilitaram-se os corrimãos e guardas do bairro ao longo de nove meses de trabalho. A Secil, a CIN e a Antikeda apoiaram o projecto com formação, materiais e trabalho.

Entretanto, a continuidade dos trabalhos foi suspensa. Não conseguimos obter financiamento BipZip deste ano e aguardamos os resultados de outras candidaturas a que temos vindo a apresentar sobre este projecto de intervenção no espaço público, participação e combate ao desemprego. Ainda há trabalhos decididos em assembleia que se encontram por realizar e para o qual ainda não temos financiamento, designadamente um anfiteatro ao ar livre onde possam passar a decorrer as assembleias de bairro.

Ainda que saibamos que o Prémio Construir não implica um valor monetário, a sua conquista pode vir a facilitar a obtenção dos financiamentos necessários para a conclusão dos trabalhos no bairro.

Por isso queremos que percebam que o vosso voto na secção  Melhor Projecto Público  é importante para nós e para o bairro. Para o fazerem terão de fornecer um email válido e votar em todas as categorias do prémio (se não o fizerem o voto será anulado)
A votação decorrerá até às 18h do dia 29 de Setembro de 2014.

 

[+ informações e imagens sobre o projecto]

 

 

[ENG]

The "Prodac Norte, Fora de Portas - Requalificação do espaço público do Bairro da PRODAC Norte" project is named for the Prémios Construir 2014 as Best Public Project.

This is a project made with and by the inhabitants.

 

[+ info and images about the project]

 

 

Projecto:

   

 

Apoios: 

  


tags: ,

Quinta-feira, 18 de Setembro de 2014
ateliermob, às 07:45 | comentar :: comment | 2014.09.18

 

List of invited offices:

 

01. Bruno Silvestre
02. Santa-Rita Arquitectos
03. AQSO Arquitectos Office
04. Burgos & Garrido
05. Souto Moura Arquitectos
06. PROAP
07. OAB - Ferrater
08. RCR Arquitectes
09. Spaceworkers
10. Callís Wortham
11. RRJ Arquitectos
12. Rafael de la HOZ
13. Ricardo Vieira de Melo
14. Francisco Mangado
15. PMC Arquitectos
16. Paredes Pedrosa
17. Pedro Maurício Borges
18. Nieto Sobejano
19. Pedro Matos Gameiro
20. MTM + Xpiral
21. O. Sanina + M. Dantas
22. Luis Vidal
23. Nuno Montenegro
24. José Ignacio Linazasoro

25. Nuno Lacerda Lopes
26. BAAS
27. Nelson Resende
28. JDVDP
29. MIMA
30. Irrisarri y Piñera
31. Miguel Marcelino
32. Ábalos + Sentkiewiez
33. Jorge Mealha
34. Vázquez Consuegra
35. Carrilho da Graça
36. Fernando Menis
37. GA S2 Arquitectos
38. Fernando Caruncho
39. Federico Valsassina
40. Estudio Entresitio
41. Falcão Campos Arquitecto
42. Miralles Tagliabue / EMBT
43. Embaixada
44. Cruz y Ortiz Arquitectos
45. Contemporãnea
46. Carmen Moreno
47. Consexto
48. Flores & Prats

49. Campos Costa Arquitectos
50. B720
51. Camilo Rebelo + Tiago Pimentel
52. Aranguren y Gallegos
53. Ateliermob
54. AMP Arquitectos
55. Atelier Data
56. Andres Perea Ortega
57. Atelier Central
58. Ana & Eugeni Bach
59. ARX
60. Alberto Campo Baeza
61. ASPA
62. Rafael Moneo
63. Álvaro Siza Vieira
64. ACXT
65. Aires Mateus
66. Josep Llinás
67. ADOC
68. Carme Pinós
69. A43
70. Albert Viaplana

 

[+ info]



Terça-feira, 16 de Setembro de 2014
ateliermob, às 08:39 | comentar :: comment | 2014.09.16

 


tags:

Domingo, 14 de Setembro de 2014
ateliermob, às 14:32 | comentar :: comment | 2014.09.14


Esta história conta-se assim. Há quase vinte anos, ainda eu e a Andreia andávamos pelas faculdades, sempre que passávamos no Alentejo dávamos um salto a Évora. Se a passagem fosse de poucos minutos, virávamos costas ao património mundial e seguíamos religiosamente ver o que estava a crescer na Malagueira. Com a passagem dos anos a gula imobiliária que massacrou a cidade fez-nos ir perdendo a rela
ção de afecto. Há mais de dez anos que não passava na Malagueira, apesar das viagens pelo imenso Alentejo se terem intensificado.
Contudo, há dias, deparei-me algures com uma pequena fotografia de um anfiteatro ao ar livre em betão, parecidíssimo com o que projectámos e construímos em Rio de Moinhos. Mostrei-o no atelier e a Rita, prontamente, disse-me ser na Malagueira.
Ontem, de passagem para Moura, não pude deixar de ir ver com os meus próprios olhos.
O projecto de Rio de Moinhos foi um parto fácil. Parecia que as soluções já estavam todas na nossa cabeça (lembras-te Verita?).
A minha memória não me permite dizer se já tinha, ou não, estado naquele anfiteatro desenhado por Siza Vieira.
Gosto de acreditar que sim. Gosto de acreditar, como diz a Rita, que ver arquitectura nos abre o léxico de soluções arquitectónicas. Gosto de acreditar que este anfiteatro da Malagueira nos ficou no subconsciente e que nos ajudou a projectar em Rio de Moinhos.

 

tms, escrito ontem no facebook 

 

 



Quinta-feira, 4 de Setembro de 2014
ateliermob, às 07:52 | comentar :: comment | 2014.09.04

 

 


tags:

Terça-feira, 2 de Setembro de 2014
ateliermob, às 16:42 | comentar :: comment | 2014.09.02

 

[here]



Quarta-feira, 27 de Agosto de 2014
ateliermob, às 12:40 | comentar :: comment | 2014.08.27

 

 

| entrevista realizada por Luís Santiago Baptista e Paula Melâneo |

 

arqa: A exposição “Tanto Mar: Portugueses fora de Portugal”, com curadoria do Ateliermob e patente na Garagem Sul do Centro Cultural de Belém, procura chamar a atenção para os aspectos políticos e sociais da arquitectura, que poderíamos dizer caracterizam a disciplina da arquitectura desde a modernidade e que estão hoje indiscutivelmente na ordem do dia. Como poderemos definir hoje a ideia de “arquitectura social”?

Entusiasmar-nos-ia a todos começar por declarar que o mundo mudou e que a “arquitectura social” representa o eclodir de um fantástico mundo novo. Mas isso não é verdade. Se o mundo tem vindo a mudar não parece ser em prol de uma visão mais humanista e solidária entre povos e a dimensão política e social da arquitectura nunca deixou de existir mesmo naquelas alturas em que parecia bem que os arquitectos se declarassem como apolíticos, trabalhadores da forma e executantes de programas.
O que nos parece particularmente interessante no plano global é a existência de um processo de reacção às práticas de arquitectura muito mediatizadas num passado recente e isso está a fazer com que o discurso sobre a prática seja mais plural e aponte para novos e diferentes caminhos. A produção e emergência de novos conteúdos marginais à oligarquia que se havia constituído aumentou a riqueza da discussão em torno da disciplina.
Por outro lado, revelam-se práticas que, nunca tendo deixado de existir, voltam a ser valorizadas, reabrindo discussões que não podem sair dos nossos estiradores como
a importância e os problemas da participação, o papel social do arquitecto ou o papel da arquitectura em cada uma das fases do processo.
Quanto à definição de “arquitectura social” é uma discussão que gostámos de recuperar mas que não pretendemos encerrar. A meio deste processo de reflexão o Fernando Bagulho enviou-nos um texto (nunca publicado) do sempre ponderado e acutilante Manuel Taínha em que coloca a arquitectura como mediadora “entre as ciências e o mundo da vida”. Olhando para os quase dez anos de prática do ateliermob não há forma de esconder que é nessa definição que nos temos vindo a encaixar.

 

arqa: A exposição começou por ser sobre “Arquitectos fora de Portugal”, mas acabou por ser apresentada como “Portugueses fora de Portugal”, integrando protagonistas de outros campos de conhecimento e assim afastando-se de uma perspectiva meramente disciplinar. Mas não se cingindo aos arquitectos esta é assumidamente uma exposição sobre arquitectura. Até que ponto e em que sentido estamos aqui a falar do trabalho do arquitecto?

Partimos para esta exposição preocupados em construir um processo de investigação – que só foi possível com o apoio da dgartes - crentes que a exposição seria o resultado das sínteses que conseguíssemos fazer desse processo. Na verdade essa alteração da palavra foi um momento charneira.
Rapidamente conseguimos muitas histórias de vida que nos conduziam para o que poderia vir a ser uma exposição monográfica sobre as pessoas ou sobre a emigração. Mas não era isso que queríamos fazer. Interessava-nos mais os projectos e os processos.
Mais do que uma exposição que chorasse a “mala de cartão” queríamos aprender e expor conteúdos e abordagens em diferentes geografias, escalas e contextos. Sentíamos que este era um momento para juntar, sem olhar a idades ou percursos académicos, mas também para abrir discussões fracturantes que, em Portugal, nos possam retirar dos castelos de certezas sobre a “arquitectura portuguesa” em que nos sentimos mais confortáveis.
Por outro lado, ainda que a exposição esteja pensada para ser itinerante, foi feita com o apoio do Centro Cultural de Belém e para a Garagem Sul. Este facto aumentava a sua carga simbólica ao ser vista pela primeira vez a partir da instituição que está a recuperar o seu papel central e, infelizmente, único na promoção e divulgação da arquitectura em Portugal de uma forma aberta e plural.
O Tanto Mar é, definitivamente, uma exposição de arquitecturas.

 

arqa: Outra das questões levantadas por “Tanto Mar” é inevitavelmente a recente emigração massiva dos arquitectos portugueses. Como refere: “Não será necessário alongarmo-nos para que se perceba que está em curso uma vaga de emigração sem precedentes, desta feita, protagonizada sobretudo por jovens técnicos qualificados à procura do primeiro emprego”. No entanto, nessa “vaga de emigração” concentram-se nos arquitectos que desenvolvem uma “atitude transformadora a partir das questões sociais”. Como definem e caracterizam essa relação entre a emigração portuguesa e a arquitectura de vertente social? Qual o nexo de causalidade entre ambas?

Sim, esse é um tema inevitável, ainda que o tenhamos propositadamente secundarizando.
Mas há uma constatação curiosa que não podemos ignorar, há uma sub-representação de nascidos entre 1950 e 1974, somente garantida por Rigo – cuja formação não provém da arquitectura – e por Miguel Saraiva como atelier local - no Brasil - de um processo iniciado pelo Estúdio Amatam no Cabuçu de Baixo. Já nas gerações anteriores encontramos Cristina Salvador, Fernando Bagulho e o José Forjaz, por exemplo, que foram actores principais da história do pós-25 de Abril, em Portugal e em Moçambique, respectivamente, e Osório Lobato que realiza a esmagadora maioria da sua vida profissional na Holanda. Por outro lado, os participantes que nascem depois do 25 de Abril não falham uma referência ao SAAL. Não nos parecendo que isto se resolva com uma relação genética parece-nos que há um grande respeito e admiração pelos momentos revolucionários passados em Portugal, o que confere à maioria uma particular predisposição cultural para desejar participar nestes processos.
Por outro lado também nos parece óbvio que a facilidade de comunicação com línguas de largo espectro como o inglês, espanhol ou português abre um enorme campo de acção em territórios da prática em que a comunicação com muitas pessoas é fundamental.

 

arqa: Sendo um tema absolutamente pertinente no actual contexto de crise, a investigação concentra-se na participação portuguesa em contextos internacionais. Porém, pressente-se que essa opção deixa de fora alguns arquitectos e colectivos portugueses com trabalho muito significativo dentro do país. Porque não integraram as intervenções arquitectónicas nacionais no vosso programa? Tendo em conta a continuidade do projecto na plataforma online, estão a pensar vir a fazer essa integração no futuro?

A exclusão territorial foi decidida desde o início e também não integrará a futura base de dados. Mal ou bem, isso é matéria para outros o dizerem, o ateliermob é actor de alguns desses processos no território nacional e por isso não nos consideramos habilitados para o fazer, nem nos parece que fosse desejável. Aliás, esse é um dos desafios que deixamos para quem o queira aceitar.
Por outro lado, depois de ter entrado tarde na cultura arquitectónica em Portugal (por comparação com o que já se discutia pelo mundo fora) e ainda que permaneçam algumas resistências que desdenham parte significativa destas práticas considerando-as fora da arquitectura, a última edição da Trienal de Arquitectura de Lisboa, a representação portuguesa na Bienal de Arquitectura de Veneza e, de uma forma mais modesta, esta exposição criaram condições para se repensar a arquitectura realizada por portugueses fora da prateleira que lhe haviam destinado e que, no contexto actual do país, servia de pouco à generalidade das pessoas.
A plataforma online estará disponível no dia seguinte ao encerramento da exposição – 21 de Julho.
No que diz respeito às possibilidades de itinerâncias da exposição só temos tido propostas do estrangeiro, ainda que seja o nosso desejo expô-la em, pelo menos, mais um local em Portugal.

 

arqa: A exposição desenvolve-se em volta de “cinco temas”, a saber “emergência, escassez, urbano, informal e formal”, apresentado posicionamentos e atitudes diversificadas por parte dos arquitectos e colectivos participantes. Como chegaram a esta estruturação temática? Existem algumas conclusões que se podem desde já retirar da forma como as diferentes práticas apresentadas se distribuem nesse universo temático?

A estruturação destes cinco grupos partiu das condições a partir do qual é desenvolvido o projecto.
Esta exposição permitiu-nos fazer um diagnóstico, mais do que retirar conclusões. Na verdade parece-nos cada vez mais claro que, depois da exposição, partiremos para a construção de um livro no qual se deverá aumentar o número de projectos e estender a investigação por forma a que nos permita verificar alguns dados para os quais esta exposição aponta e esclarecer algumas questões que foram sendo lançadas.
Por outro lado também nos interessa cruzar as nossas sínteses com as de outros países para perceber a dimensão, os centros, as referências do que se está a passar.


arqa: A exposição apresenta uma perspectiva inter-geracional, não se cingindo às gerações mais novas e à problemática da emigração recente. Por outro lado, apresentam “criadores portugueses” que trabalham em diferentes posições e estádios profissionais, sejam arquitectos chefes, coordenadores de projecto ou colaboradores. Em que medida existe aqui uma crítica à ideia do arquitecto autor?

Provavelmente essas serão as questões que mais incomodam e ameaçam quem quer continuar a viver numa prática entre “colaboradores” e “arquitecto-chefe”.
Indiscutivelmente as práticas profissionais contemporâneas em torno da arquitectura exigem, por um lado, pluridisciplinariedade, por outro, trabalho colectivo. Nesse sentido a ideia do arquitecto-chefe está sob ameaça e todos – profissionais e cidadãos - temos a ganhar com isso. Isto não quer dizer que não haja hierarquias nem que não possa haver uma liderança deste ou daquele processo, mas que os fenómenos de liderança estão mais difusos e são processos naturais e não impostos por quem tem a idade, o capital ou a posição institucional para o fazer. Essa é uma alteração de paradigma que, em Portugal, é particularmente visível no nome que os ateliers vão tomando e que provoca incomodidade a quem se sente ameaçado.
Repare-se que, mesmo em estruturas de organização mais tradicional cujo trabalho é exposto no Tanto Mar, como o Atelier Metropolitano - em que pontifica Jorge Mario Jauregui – ninguém levantou problemas em reconhecer a importância da participação de Nuno André Patrício e da “não-arquitecta” Linda Miriam Cerdeira.
Em boa verdade, assumimo-lo não como uma crítica mas como um dado, produto da nossa experiência e da orgânica dos ateliers com que vamos contactando. Não podemos achar que é muito interessante esta ideia dos novos colectivos e escrever odes à multidisciplinariedade e esperar que se esvazie, sem trazer alterações substanciais nas práticas contemporâneas de fazer arquitectura.

 

arqa: A exposição revela aspectos curatoriais inovadores na forma como o processo de investigação foi sendo desenvolvido. Desde logo, a exposição é um work in progress, partindo de um open call com o objectivo de convocar o trabalho, muitas vezes desconhecido, que está a ser desenvolvido nesta área por todo o planeta. Por outro lado, a meio do processo realizaram uma série de mesas-redondas em que convidaram várias pessoas a levantar questões e debater a evolução da exposição. Finalmente, editou-se uma brochura com reflexões críticas que expandem o tema da exposição. De que forma foram estes processos de open call e feedback importantes para a exposição?

A construção desta exposição procura aplicar um pouco da prática do ateliermob, mais do que fazer uma reflexão sobre curadoria, e inscreve-se na necessidade que sentimos de estar continuamente a desenvolver trabalho de investigação paralelo que possa complementar a nossa prática e/ou criticá-la.
Neste caso foi fulcral conseguir discutir quatro meses antes da abertura da exposição alguns conceitos inerentes aos trabalhos que íamos recebendo e, sobretudo, fazê-lo com um leque alargado de pessoas que reconhecemos como os que melhor nos podiam ajudar e que, por outro lado, não pensasse necessariamente o mesmo. Aos contributos dos convidados juntou-se os do público e de quem assistiu à cobertura online no site do Diário de Notícias. A partir daí foram chegando ainda mais reacções. Antes das mesas redondas perspectivávamos uma exposição com menos perguntas e mais conclusões, procurando definir conceitos de uma forma tilliana (Jeremy Till). Aquele momento em Dezembro fez-nos perceber que queríamos provocar o debate e que era necessário, sobretudo, trabalharmos na forma de mostrar de uma forma muito rigorosa os conteúdos que tínhamos.
A brochura é um documento promovido pelo CCB para a qual foram convidados três dos participantes nas mesas redondas, o que muito enriqueceu a exposição acrescentando debate, reflexão e crítica às suas temáticas.



Tanto Mar


+ info
ateliermob: What ever happened?


+ videos
ateliermob - arquitectura, design e urbanismo lda.
[PT]
Plataforma multidisciplinar de desenvolvimento de ideias, investigação e projectos nas áreas da arquitectura, design e urbanismo. É assim que tudo costuma começar. A partir daí trabalha-se tudo o resto. Só é impossível o que não entusiasma, o que não é criativo, o que nos afasta das pessoas.
[saber mais]

[ENG]
Ateliermob is a multidisciplinary platform which develops projects, ideas and research within architecture, design and urbanism. This is the way it usually starts. From this point, everything is worked out. The impossible is to work on the unexciting, on the uncreative, on what diverges from people needs.
[+ info]
International internship program at ateliermob
subscrever | subscribe

email para actualizações :: email for updates
By Feedburner

ateliermob on Facebook
ligações :: links